25.1 C
Guimarães
Sexta-feira, Julho 19, 2024

APFertilidade: critica atraso da regulamentação da gestação de substituição

Economia

Depois de promulgada em 2021 pelo Presidente da República, a lei da gestação de substituição deveria ter sido regulamentada ainda no início de 2022, quando entrou em vigor, segundo a Associação Portuguesa de Fertilidade. Após sucessivos atrasos no processo, o Ministério da Saúde apontou o primeiro trimestre deste ano como data-limite para a proposta de regulamentação, mas sem a cumprir.

“Os casais têm tido demasiada paciência e os que a perderam pela ausência de ajuda em Portugal procuraram-na fora do país.”

“Os casais têm tido demasiada paciência e os que a perderam pela ausência de ajuda em Portugal procuraram-na fora do país”, revela a presidente da Associação Portuguesa de Fertilidade (APFertilidade), Cláudia Vieira.

A associação informa que, até hoje, o documento que sustenta a gestação de substituição em Portugal avançou e recuou em vários níveis. Em 2018, o Tribunal Constitucional chumbou normas que regulavam a possibilidade. Em 2019, esta foi vetada por Marcelo Rebelo de Sousa. Depois da sua promulgação, no final de 2021, a lei ficou a aguardar pela regulamentação, mas até Abril de 2023 os avanços não são visíveis. “Tudo isto para continuar a ouvir por parte do Ministério que não há datas previstas para se pronunciar sobre a regulamentação, que talvez dentro de semanas haja novidades, assumindo que os casais beneficiários continuam a ter paciência”, refere a APFertilidade.

O Ministério admitiu, entretanto, que a proposta de regulamentação está concluída, mas aguarda-se uma nova ronda de audições de entidades competentes, durante o presente mês, para que o documento final do Governo seja conhecido, de acordo com o comunicado da associação.

À medida que o tempo passa, a APFertilidade admite lidar com as dúvidas e receios dos casais que olham para a gestação de substituição como uma esperança: “É sem dúvida frustrante ficar sem palavras quando se ouve o desespero e o desânimo destas pessoas, que perguntam sempre: ‘é agora?’, ‘podemos avançar?’. É entristecedor que alguns destes casais questionem se é tempo de desistir”, relatam.

“Há quase cinco anos que é pedida compreensão aos casais que só têm na gestação de substituição a possibilidade de serem pais biológicos.”

Para Cláudia Vieira, os sucessivos atrasos em cumprir os prazos “demonstram como o Governo tem respondido aos problemas que envolvem desde sempre a infertilidade e, neste caso, a gestação de substituição: empurrando os cidadãos para situações de desgaste emocional e psicológico e enormes fragilidades financeiras, quando apenas no privado ou noutros países podem tentar ser mães e pais”. “Há quase cinco anos que é pedida compreensão aos casais que só têm na gestação de substituição a possibilidade de serem pais biológicos. Isto é um desespero, uma perda da esperança, possivelmente o fim da linha para alguns casais. Mesmo depois de lhes ter sido dada uma última possibilidade de terem filhos, e de essa possibilidade existir, não há forma para se tornar uma realidade”, continua.

Segundo a associação, “torna-se difícil ver o incumprimento sucessivo de prazos pelo Ministério da Saúde para que uma lei em vigor há mais de um ano seja aplicada e de não se assistir a qualquer mudança”. A APFertilidade garante que se vai continuar a fazer ouvir junto do Ministério da Saúde, grupos parlamentares, Comissão de Saúde e Presidência da República para proteger os direitos dos que têm na gestação de substituição a única possibilidade de serem pais.

📸 Direitos Reservados

© 2023 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no FacebookTwitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Últimas Notícias