1.5 C
Guimarães
Sexta-feira, Fevereiro 3, 2023

Urbanização de marca e qualidade

Economia

Estará pronta em 2020

E tudo por obra, graça e engenho de Manuel Carvalho que se tornou no empreendedor da moda e construtor de qualidade reconhecida – a quem já foi lançado o desafio de construir na cidade – e que opta por manter o seu dinamismo empresarial em São Torcato, onde lhe podem surgir iniciativas ainda mais arrojadas.

O loteamento, feito numa antiga quinta rural, tem a área total de 20 mil m2 onde se implantam os 16 lotes: correspondentes a 4 casas térreas mesmo vicinais a uma estrada municipal, a que acresce um conjunto de 6 moradias individuais no seio do loteamento e 6 moradias geminadas pela garagem, de dois andares.

E não se diferencia apenas por cada lote, do mais pequeno ao maior, oferecer uma área de logradouro considerável onde se pode construir uma piscina, um jardim e mesmo uma pequena horta, tal é espaço sobrante em redor da área de construção.

A sua exposição solar é quase única e um dádiva da natureza porque é permanente a luz solar, de manhã à noite.

A construção de casas térreas, com dimensões confortáveis, numa área de terreno que daria para o dobro do volume de construção é não apenas uma opção genuína, como um contínuo desejo de promover e fazer habitação de e com qualidade. E é uma marca distinta de implantar as casas de um andar apenas, para aproveitar a exposição de cada alojamento à luz solar, durante todo o dia.

Optar por moradias individuais em lotes com uma dimensão fora do comum e pouco usuais no mercado é uma aposta que valoriza o produto que se vende com o mesmo espírito que se compra.

Na sua génese de homem da construção, Manuel Carvalho não esconde que o seu perfeccionismo e gosto pelo que é bom, vem das lides com homens que em Guimarães quiseram sempre construir o melhor, citando José da Silva que se dedicou a construir em Guimarães algo que serviu para definir e identificar a cidade.

Mais do que implantar uma casa num lote, Manuel Carvalho quer dar vida a essa área onde cada morador pode usar esse espaço como entender quer seja para uma piscina, quer para uma horta, quer para um logradouro mais simples mas aberto. Por isso, numa área de terreno onde caberiam por certo nove lotes, a sua opção foi fazer e implantar metade (4) como factor diferenciador das opções urbanísticas que defende, sem densificar a envolvente com mais prédios.

“Não sei fazer de outra forma” – diz convicto da sua certeza de que está a fazer um produto bom e bem. E com procura no mercado.

© Direitos Reservados

Geminadas… pela garagem

Nos lotes, destinados a maior ocupação (6) com casas de rés-do-chão e andar, Manuel Carvalho também, quis aprimorar a sua opção, oferecendo casas geminadas apenas ao nível da garagem, garantindo que um vizinho não escuta o outro, deixando entre andares um fosso que separa as casas entre si. Um pormenor que marca a qualidade que pretende dotar cada lote e cada casa em que a garagem ocupa cerca de 60 metros da área de implantação e a área de construção cerca de 250 m2, em lotes que variam entre os 600 e 850 m2.

Outra singularidade desta área de casas geminadas é que beneficiando de exposição solar permanente, de manhã à noite, a área de logradouro é também extensa e útil para para os usos que cada comprador entender fazer dentro do regulamento do loteamento. Há poucos exemplos desta ocupação suave de um espaço maior que pertence a cada lote.

Esta zona de casas geminadas, será construída logo após a conclusão das operações do loteamento que têm a ver com a construção de infra-estruturas. A previsão é a de que no início do Verão de 2020 possa chegar o primeiro habitante desta nova urbanização, com direito a fixar-se nos melhores catálogos de habitações de qualidade e com luxos importantes nos tempos que correm.

Granito a condizer com o Santuário

Manuel Carvalho fez esta opção pelo granito da região ser o melhor que há para estas infra-estruturas, sem contudo tal significar exigência ou imposição da Câmara. É mais um requinte a juntar a outras que mostram que fazer bem também é fazer com o melhor produto.

As guias de granito cinzento das pedreiras de Gondomar já marcam e sustentam passeios fitados a cubos de pequenas dimensões, enfeitam as entradas das moradias, dão forma aos lugares de estacionamento do espaço público e ladeiam as zonas verdes da urbanização.

De resto, a urbanização tem o Santuário de São Torcato como farol, a nascente, e a sua imponência vertida no granito da região – Gonça, Gondomar e São Torcato.

Junta regista dinamismo

Alberto Martins, Presidente da Junta de Freguesia reconhece que o empreendedorismo de Manuel Carvalho está a dar à vila de S. Torcato um novo impulso de desenvolvimento.

“Graças ao seu dinamismo, S. Torcato viu o seu parque habitacional crescer em número de alojamentos, de edifícios com benefícios vários, atraindo pessoas de outras localidades” – justifica o presidente da autarquia.

O empreendedorismo de Manuel Carvalho é um exemplo que o presidente da autarquia destaca por ter começado num período de crise, o que não deixa de representar algum arrojo, que vem dinamizar a vila e poder contribuir para que haja também um incremento da actividade comercial que o acréscimo de população trás por consequência.

O presidente da Junta espera que outros empreendimentos possam surgir, mesmo de menor dimensão, porque S. Torcato precisa também de alojamento para os jovens e todas as iniciativas dos promotores e construtores são bem vindas, como está a acontecer.

“Trata-se de um segmento populacional da classe média e média-alta – magistrados, empresários, médicos, professores e outras profissões técnicas – que gostam da segurança e da pacatez da vila, da sua paisagem verde e monumental, da sua cultura popular e das suas festas, ingredientes que tornam as terras atractivas e com qualidade de vida” – sublinha destacando que desta forma se fixa a população e a grandeza da vila.

Sublinhando a qualidade e do tipo de habitação que tem sido implantado em diversas zonas por iniciativa da sociedade de que Manuel Carvalho é gerente, o autarca mostra o seu agrado por este ciclo de crescimento habitacional prosseguir com novos empreendimentos e agora com um loteamento de inegável qualidade. S. Torcato precisava de ver crescer número de habitantes e eleitores para compensar a tendência de perda de anos anteriores. E para além de equilibrar as estatísticas, também a “qualidade” dos que agora escolhem S. Torcato para morar e viver, deixam o presidente da autarquia satisfeito.

E como nota final, o autarca deixa o agradecimento ao empreendedor, tanto mais que também a nível industrial, se prepara para iniciar um loteamento para fixação de indústrias.

Reabilitação exemplar

Hoje, a reabilitação da “Casa do Poços” que manteve a sua fachada imponente e tradicional e beneficiou de obras de reparação do seu interior para fins habitacionais pode inspirar outros proprietários como exemplo a seguir, de modo a recolocar centro da freguesia com a qualidade urbana que se deseja em redor de um Santuário, também histórico, obra de arte reconhecida internacionalmente, e que muito embelezaria o centro de São Torcato, composto de espaços de parque amplos, de árvores frondosas, com as condições naturais para ser vivenciado pela população local e pelos seus visitantes.

Adquirida por Manuel Carvalho tornou-se numa casa de habitação, de múltiplos alojamentos e apenas um lugar de comércio e fica agora como exemplo de reabilitação, no coração da freguesia onde há mais edifícios com história local para recuperar como a vizinha “Casa do Marco”.

Era uma casa animada ao longo do ano, local de encontro de muitos torcatenses que manteve com a sua história, a traça de casa minhota, com vários andares acima e abaixo do rés do chão. Foi também ali que alguns beberam os “pirolitos”, uma bebida doce e gasosa fabricada no rés-do-chão. O encerramento da “Casa dos Poços” deixou um vazio no centro do Mosteiro e apesar de ter acabado com a sua função comercial manteve a força da sua estrutura arquitectónica.

Foi também ponto de encontro e local de diversão para gerações de jovens que viram ali a emissões de televisão, da RTP. pela primeira vez, e ali jogavam “matraquilhos” como passatempo e entretenimentos quase únicos.

Propriedade dos irmãos António e Abílio Martins Fernandes, a “Casa dos Poços” também por se situar no centro e a poucos metros do Santuário, era conhecida pelos que vinham ver as famosas festas de São Torcato, a Romaria Grande, a Feira dos 27 e o festival folclórico.

A “Casa dos Poços” tem uma história bem conhecida em São Torcato: foi mercearia, “tasca” e casa de pasto, café e sala de estar para quem não tinha televisão em casa.

© Direitos Reservados

De afinador de máquinas a construtor

Foi assim que nasceu uma nova urbanização em São Torcato, distinta e nobre, – cujo nome pode ser aprovado pela Assembleia de Freguesia mais à frente – que será a jóia da coroa dos empreendimentos que Manuel Carvalho junta à sua carteira de construções. O que para um torcatense, por adopção, é um feito enorme.

Em Dezembro de 2015, formaliza a compra do terreno e inicia o processo de loteamento junto da Câmara Municipal.

Apesar dos incitamentos de alguns agentes imobiliários para construir na cidade e alargar novos horizontes, Manuel Carvalho obtém informação bancária de que uma considerável área de terreno iria ser posta à venda, em resultado da falência da empresa que detinha o Supermercado Freitas.

Num ápice lança no mercado propostas que ganham aceitação de clientes e, uma atrás de outra, vai fazendo e construindo, deixando clientes satisfeitos com o produto que vendeu a pessoas da classe média e média alta, como empresários, agente de seguros, magistrados, arquitectos, médicos, entre outros.

© Direitos Reservados

Quando era suposto ter um rumo definido, Manuel Carvalho compra um apartamento aos 19 anos, ainda em projecto, e já com a experiência de saber como se vende um apartamento, resolve vendê-lo – em tempo de crise – e dar um passo na construção, numa sociedade que constituiu com um sócio. Em Aldão, inicia-se na construção de algumas moradias. Mas em São Torcato descobriu nova vocação e lança-se com maior arrojo como promotor e construtor, abrindo uma nova frente de urbanização, com casas térreas, de arquitectura moderna e de construção de qualidade, a cinco centenas de metros acima do Cemitério e numa zona distante do centro da freguesia em cerca de um km.

Depois da escola, Manuel Carvalho, começou a trabalhar com 13 anos. E não se perdeu em monotonias para, poucos anos depois, subir de categoria e se afirmar como afinador de máquinas de calçado.

© 2019 Guimarães, agora!

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Últimas Notícias