Guimarães Jazz: um festival ao pequeno-almoço e antes de jantar!

Não é o mesmo, nem é excepção mas também não podia ser a mesma coisa. O Guimarães Jazz, à 29ª edição, calhou em sorte, em ano da pandemia por causa da contaminação da Covid-19.


Adaptar-se aos tempos reais, é a marca de todos os espectáculos culturais. E o Guimarães Jazz não podia ser excepção. Não é o mesmo, na forma, no modo e no conteúdo. Mas é o possível, no contexto actual, de restrições de hábitos, de mobilidade reduzida. E realiza-se com a mesma alma, das edições anteriores, adiando expectativas para uma edição comemorativa dos 30 anos, em 2021.

Contudo, pode dizer-se que “tudo isto… é Jazz”, porque o conteúdo musical não se altera e apenas será interpretado por artistas e músicos, que residem em Portugal, alguns de nacionalidades diferentes.

A forma do festival não muda o conceito, nem lhe fere o prestígio. Ivo Martins, o seu director artístico, salienta que o objectivo principal foi o de “manter o festival, lutar pelo festival”, num tempo condicionado que interrompe o que era a vida de um cidadão normal.

Também, no modo, o Guimarães Jazz 2020, será diferente, porventura mais europeu porque a hora em que os espectáculos se realizam, pouco comuns para os nossos hábitos latinos, encaixam nos padrões e estilo de vida da Europa central e do norte, mais perto do jantar (19h30) e com horas de antecedência da ceia, aproveitando o fim de semana e as manhãs de Sábado e de Domingo, para encontros com a música.

📸 © Direitos Reservados

O Guimarães Jazz será, pois, um festival mais português ainda que com músicos estrangeiros residentes em território nacional mas com a garantia de que se ouvirá na mesma Jazz, a tal música quente, para tempos frios… que se vivem em Guimarães.

O director artístico fala de problemas de vária ordem, na organização do festival. E anota “as componentes que lhe faltam” que o distinguiam, também, pela existência de jam sessions, no Convívio, workshops e outras nuances que tiravam o festival do CC Vila Flor para se incorporar na vida normal da cidade e dos cidadãos. “Estamos aqui para enfrentar este conceito especial do Guimarães Jazz, de forma digna” – ressalva Ivo Martins.

O presidente da direcção de “Convívio” – parceiro na organização do festival – admitiu que “ninguém levaria a mal se o festival não se realizasse” mas como “é um festival contra a corrente”, capaz de “suscitar sentimentos contraditórios”, houve “um forte empenho em o promover”, neste ano de pandemia.

No entanto, crê, que “apesar de ser uma pequena loucura avançar com o festival, a sua marca de ser contra a corrente, ajuda o festival a crescer”.

Lamenta, ainda, que tudo o que era subjacente ao festival e que se realizava no “Convívio”, as jam sessions e os convívios com os artistas, limite o festival e a sua envolvência na cidade. E sobretudo se perca mais uma oportunidade para “envolver os jovens e servir de palco para mostrarem a sua qualidade”.

Para além, das contrariedades, Adelina Pinto, vereadora da Cultura, considera que o facto de o Guimarães Jazz acontecer, “é um momento feliz” porque significa que o festival resistiu às limitações da pandemia e cumprindo as regras da DGS – um compromisso assumido e obrigatório – continua a ser uma peça importante da programação cultural, em Guimarães.

“O Guimarães Jazz, tem um carácter icónico e vai dar um contributo que permita aliviar o stress da pandemia a manter acima da linha de água a vida das pessoas, e a cultura é fundamental para isso” – sublinhou.

O festival realiza-se no CC Vila Flor, espaço com 800 lugares, dos quais apenas podem ser ocupados 396 (sentados), dispostos na sala de modo a garantir a distância entre espectadores e sem qualquer vulnerabilidade nas entradas e saídas.

Neste festival “possível, entre não ter nada e ter alguma coisa” – como referiu a Vereadora – há no programa nove concertos, que se realizarão de manhã (10h30) ou à noite (19h30), com a presença dos artistas que abaixo se discriminam.

Programa:

12 novembro | CCVF / Grande Auditório / 19h30 
– Andy Sheppard Costa Oeste

13 novembro | CCVF / Grande Auditório / 19h30 
Peter Evans | Duo Set (1ª parte) The Book of Void (2ª parte) 

14 novembro | CCVF / Grande Auditório / 10h30 
– César Cardoso Ensemble | Dice of Tenors 

15 novembro | CIAJG / Black Box / 10h30 
– Projeto Porta-Jazz / Guimarães Jazz | Sombras da Imperfeição Concerto Desenhado (Hugo Raro, Miguel Amaral, Rui Teixeira, Alex Lázaro, JAS)

17 novembro | CCVF / Grande Auditório / 19h30 
– Projeto Big Band ESMAE / Guimarães Jazz 

18 novembro | CCVF / Pequeno Auditório / 19h30 
– Projeto Sonoscopia / Guimarães Jazz (Miguel Carvalhais, Pedro Tudela, Gustavo Costa, Rodrigo Carvalho)

19 novembro | CCVF / Grande Auditório / 19h30 
Radiohead Jazz Symphony & Orquestra de Guimarães 

20 novembro | CCVF / Grande Auditório / 19h30 
Julian Argüelles | Aqui e Agora 

22 novembro | CCVF / Grande Auditório / 10h30 
– Pedro Melo Alves’ Omniae Large Ensemble

© 2020 Guimarães, agora!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

2,064FansCurti
0SeguidoresSeguir
66SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Edição impressa

- publicidade -

Leia também

Dezembro “recolhe-te”!

Estamos no último mês do ano! 2020 teve um misto ...

Comércio: faça compras no comércio local pela via digital

A aplicação que vai permitir dinamizar uma relaçã...

Muralhas no tempo

Caminhamos para o final do presente ano, e que an...