13.3 C
Guimarães
Quarta-feira, Abril 17, 2024

ATP: Divulga dados das exportações de têxteis e vestuário em Janeiro

Economia

A ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal revelou que, apesar de uma conjuntura desfavorável, com uma redução significativa da procura internacional, os resultados das exportações do sector, em Janeiro de 2023, não foram tão negativos quanto se esperava.

Em volume, registou-se uma redução de 12% face ao mês homólogo do ano anterior, tendo sido, em termos absolutos, os produtos incluídos na categoria “pastas, feltros e falsos tecidos, fios especiais, cordéis, cordas e cabos e artigos de cordoaria” os que registaram maior quebra (menos 2426 toneladas, equivalente a -19%). Ainda em volume, os artigos que registaram maior subida, foram os tecidos de malha (mais 302 toneladas, equivalente a +12%).

Por outro lado, em valor, foram exportados 518 milhões de euros de têxteis e vestuário, +5% face ao valor exportado em Janeiro de 2022. Isto representa um aumento de 23 milhões de euros neste mês. Os produtos mais afectados foram as “pastas, feltros e falsos tecidos, fios especiais, cordéis, cordas e cabos e artigos de cordoaria”, com uma quebra de 6,3 milhões de euros (equivalente a-17%), seguidos dos “outros artefactos têxteis confeccionados”, onde se incluem os têxteis para o lar, com uma quebra de 4,6 milhões de euros (-7%).

O vestuário em tecido teve um crescimento de quase 23 milhões de euros (+32%) e o vestuário em malha um aumento de 6,5 milhões de euros (+3%). O vestuário em tecido também aumentou em quantidade (+16%), ao contrário do vestuário em malha que caiu 8%.

“Acreditamos que, em muitos casos, também teremos um aumento de valor acrescentado nos produtos exportados.”

“Embora saibamos que existe um efeito da inflação e do aumento do custo produtivo nestes resultados, acreditamos que, em muitos casos, também teremos um aumento de valor acrescentado nos produtos exportados”, a ATP clarifica.

O preço médio por quilo exportado subiu 19% no total, tendo as matérias-têxteis subido, em média, 16%, os têxteis técnicos 17% e o vestuário 14%. Já os têxteis-lar e outros artigos têxteis confeccionados registaram uma ligeira quebra (-0,1%), confirmando as dificuldades sentidas em transpor o aumento dos custos produtivos para o cliente.

Em termos de mercados, há a assinalar um excelente desempenho em França, com um crescimento de 22% em valor e de 9% em quantidade. Por outro lado, Itália foi o destino que maior queda registou em termos de valor: menos 7,7 milhões de euros (equivalente a -19%).

📸 GA!

© 2023 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no FacebookTwitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Últimas Notícias