13.7 C
Guimarães
Segunda-feira, Maio 27, 2024

Escola de Engenharia: apresenta plataforma de mobilidade TMOB-HUB

Economia

A Escola de Engenharia da Universidade do Minho apresentou ontem, no campus de Azurém, a plataforma TMOB-HUB – Transportation and Mobility Research Hub, que associa as competências de sete centros de investigação na área da mobilidade e quer afirmar-se na cooperação com actores nacionais e internacionais.

A sessão de abertura contou com o presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), António Cunha, o presidente da Ordem dos Engenheiros, Fernando de Almeida Santos, o presidente do Município de Guimarães, Domingos Bragança, o administrador dos Transportes Urbanos de Braga, Teotónio dos Santos e, da parte da UMinho, o vice-reitor para a Investigação e Inovação, Eugénio Campos Ferreira, a vice-presidente da Escola de Engenharia, Lígia Rodrigues, e o director da TMOB-HUB, José Campos e Matos.

O professor José Campos e Matos abriu a sessão com discurso em inglês numa sala composta por convidados internacionais. Na sua intervenção, explicou que este projecto conta com diversos centros de investigação, nomeadamente interfaces da Universidade do Minho, e abrange seis modos principais de transporte – ferrovia, metro, rodovia, aeroportuário, marítimo, fluvial. Mencionou os sete centros investigação envolvidos, sendo eles: o Algoritmi, o Centro de Território, Ambiente e Construção (CTAC), o Instituto de Polímeros e Compósitos (IPC), o Instituto para a Sustentabilidade e Inovação em Estruturas de Engenharia (ISISE), o Centro de Sistemas Microeletromecânicos (CMEMS), o Centro de Engenharia Mecânica e Sustentabilidade de Recursos (MEtRICs) e o Centro de Ciência e Tecnologia Têxtil (2C2T).

A vice-presidente da Escola de Engenharia reforçou o que foi dito pelo director da TMOB-HUB. Sublinhou que considera que esta plataforma é “uma excelente demonstração daquilo que é o reunir um conjunto de competências, de conhecimento e de experiências múltiplas e interdisciplinares e que são essenciais nos dias de hoje para desenvolver soluções globais para desafios globais”.

📸 GA!

Os restantes presentes na mesa de sessão de abertura mencionaram e destacaram os problemas de mobilidade com que se têm confrontado enquanto entidades que, de um modo ou de outro, têm responsabilidade no sector. António Cunha optou por realçar a escassez de transportes públicos no interior norte do país, revelando que, muitas vezes, os concursos para empresas de transportes ficam desertos. O presidente da Ordem dos Engenheiros destacou a posição técnica partilhada pelos profissionais da área relativamente ao novo aeroporto programado para a região de Lisboa e o Plano Ferroviário Nacional. Revelou que, brevemente, irão partilhar uma posição técnica relativamente aos metros urbanos. Por seu lado, os dois representantes das autarquias de Guimarães e Braga focaram-se na mobilidade local, sendo que Teotónio dos Santos partilhou a sua experiência profissional enquanto administrador da TUB e Domingos Bragança reiterou a necessidade de melhorar as ligações do quadrilátero, inter e intra municipais.

De seguida, decorreram as palestras do presidente da CCDR-N, António Cunha, do presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes, João Caetano da Silva, do presidente da World Road Association, Nazir Alli, e do director executivo da Europe’s Rail Joint Undertaking, Giorgio Travaini. Os territórios, a descarbonização, o triângulo educação-tecnologia-qualidade de vida e a digitalização foram alguns temas abordados.

Após um coffee break, realizou-se às 17h15 uma mesa redonda com dez figuras neste âmbito, como Paulo Duarte, director executivo da Plataforma Ferroviária Portuguesa; Hugo Lopes, director para o Desenvolvimento e Sustentabilidade da Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL); António Gomes Correia, professor emérito da UMinho; José Gomes Mendes, director executivo da Fundação Mestre Casais; e Tânia Cardoso Simões, presidente da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC). Juntam-se ainda Miguel Campos, presidente da Infraestruturas de Portugal; Ricardo Gomes, vice-presidente da Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN); André Santos, product owner da Bosch Portugal; Rui Guimarães, manager da Mota-Engil; e Paulo Humanes, director para a Mobilidade do CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento.

“Esta plataforma permita uma afirmação na cooperação com actores nacionais e internacionais neste domínio.”

A sessão de encerramento coube ao presidente da Escola de Engenharia, Pedro Arezes que enfatizou a “multidisciplinariedade da iniciativa” e referiu que espera que “esta plataforma permita uma afirmação na cooperação com actores nacionais e internacionais neste domínio”. Destacou, também, que esta iniciativa “poderá beneficiar e beneficiar-se da mais recente aposta formativa da Escola em Engenharia Aeroespacial, que inclui, ela própria, a área da aeronáutica, mas também muitas outras aplicações neste domínios da Mobilidade e Transporte”. Sublinhou a participação de “muitos dos stakeholders desta área”, bem como, a participação internacional, na sua opinião, “oportuna”, tendo em conta que “uma das ambições desta plataforma terá de ser a sua internacionalização”.

📸 GA!

© 2023 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no FacebookTwitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Últimas Notícias