11.7 C
Guimarães
Terça-feira, Maio 21, 2024

PS: Paulo Lopes Silva critica quem não festeja as vitórias da governação do partido

Economia

Paulo Lopes Silva, defende critérios objectivos para a selecção de autarcas – candidatos nas freguesias. Numa sessão em Moreira de Cónegos, tendo em vista as eleições internas que alguns apontam para Julho, admitiu a Guimarães, agora! que “este método é o menos fracturante para a unidade do partido” – ameaçada por uma deriva de candidaturas que os bastidores da política autárquica alimentam.

PUB

O candidato repetiu em Moreira de Cónegos o que havia anunciado previamente na apresentação da intenção de se candidatar à comissão política concelhia e cuja filosofia é simples: 

  1. Nas freguesias onde o PS governa, “os actuais presidentes de junta serão convidados à recandidatura para o próximo mandato”;
  2. Nas freguesias onde há transições impostas pela limitação de mandatos, serão ouvidos “os actuais executivos para tomar a melhor decisão”;
  3. Nas freguesias onde se procura construir projectos alternativos vencedores, serão reunidos “os militantes e simpatizantes do PS nessas freguesias, e escolheremos a melhor opção que desse processo emanar”.
© Direitos Reservados

Nesta primeira acção no sul do concelho, Paulo Lopes Silva introduziu uma novidade no seu discurso. Defendeu que o futuro de Guimarães passa por construir um caminho a partir do “enorme legado socialista que é Guimarães”, uma referência clara e evidente ao trabalho feito pelos anteriores presidentes de Câmara. E a partir do qual o PS tem construído a sua sustentabilidade eleitoral.

Esta evidência não tem estado na agenda política do partido, a braços com embaraços resultantes de propósitos individuais, de grupos e sindicatos de interesse que estilhaçaram a unidade do PS para além da divergência de opinião.

“Não pode existir um PS do Partido e um PS da Câmara”, disse aos militantes em Moreira de Cónegos valorizando que a unidade é a pedra base da força eleitoral do PS.

Neste contexto, Paulo Lopes Silva não podia deixar de referir-se ao facto de “ao longo destes últimos dois anos”, o PS não ter funcionado como um todo, para além das querelas de grupo. E sublinhou que “tem faltado um Partido que celebre as conquistas, defenda na adversidade e seja o suporte político de Câmara, Assembleia Municipal e juntas de freguesia”

O mais flagrante exemplo deste facto é a ausência permanente, sistemática e vincada de dirigentes e militantes nas iniciativas promovidas pela Câmara com propostas em curso para o desenvolvimento de Guimarães, um défice de representação política que se acentua. Mas há mais exemplos de que o PS e as suas duas (ou mais) caras não convive nem com os êxitos nem com as dificuldades da governação municipal, quando foi o PS que venceu maioritariamente as eleições e elevou para sete o número de vereadores o que aconteceu pela segunda vez.

Há mais sessões e Paulo Lopes Silva continua esta Sexta-feira, às 21h00, no salão paroquial de Souto Santa Maria, com a CSIF Castreja, a deixar claras as suas ideias sobre a missão da concelhia do PS.

© 2024 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no FacebookTwitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Últimas Notícias