15.1 C
Guimarães
Segunda-feira, Julho 15, 2024
Jéssica Valente
Jéssica Valente
22 anos, estudante de Direito na Universidade do Minho. Natural de Guimarães e faço parte da Comissão Regional de Braga da Juventude Comunista Portuguesa. Membro do MDM (movimento democrático da mulher).

Trabalhar para estudar é imoral!

O dever do Estado Português de garantir um ensino progressivamente gratuito e o acesso de todos, segundo as suas capacidades, aos graus mais elevados do ensino, da investigação científica e da criação artística, consagrado no Art.º 74 da Constituição da República Portuguesa, continua esquecido por opção política dos governantes.

Enquadrada num longo quadro de subfinanciamento do Ensino Superior, a propina tem funcionado como um dos métodos de autofinanciamento para as Instituições e, obviamente, como um dos maiores entraves no acesso ao Ensino Superior.

O valor mínimo da Bolsa de Ação Social Escolar são 871€ por ano. Isto significa que um estudante que beneficie da bolsa mínima, após pagar a propina, ficará com 17.40€, por mês, para pagar alojamento, água, luz, gás, internet, transporte, alimentação e outros custos adjacentes, ficando estes ao encargo das famílias ou dos próprios estudantes, que acabam por se sujeitar a trabalhos precários (muitas vezes sem contrato e com sucessivas violações dos seus direitos laborais).

Ainda sobre a propina, os estudantes que depois da licenciatura querem prosseguir os seus estudos, com mestrado e doutoramento, deparam-se com valores exorbitantes: taxas de inscrição a 200€ ou propina mensal com valores três vezes mais altos.

A insustentabilidade deste modo de vida é, assim, uma das principais causas de abandono do Ensino Superior. É urgente a inversão desta tendência, o que só é possível com o fim da propina e com a desmistificação da ideia de que o fim da mesma é incompatível com o reforço das bolsas de ação social.

Quando se fala que as propinas são para acabar, fala-se da abolição da propina em todos os ciclos de estudos para todos os estudantes, sem deixar ninguém de fora.

Quando se fala em manter as propinas o que está a ser dito é: só pode aceder a um curso, a um mestrado ou a um doutoramento quem o puder pagar. Não nos deixemos enganar, isto não é um mero acaso, a manutenção do estado atual do Ensino Superior é uma opção política com uma ideia subjacente – a de fazer corresponder as elites económicas às elites do conhecimento.

Os estudantes continuam a ser os mais expostos à instabilidade e enfrentam cada vez mais novos métodos de exploração e precariedade.

A esta realidade no seio académico soma-se, para os estudantes que se vêem obrigados a trabalhar para sustentar os estudos, a precariedade laboral. Os estudantes continuam a ser os mais expostos à instabilidade e enfrentam cada vez mais novos métodos de exploração e precariedade que ficaram mais expostos com a pandemia. É evidente e percetível aos olhos de todos a instrumentalização dos estudantes e um aproveitamento das poucas condições económicas e sociais destes.

Em decorrência da condição de trabalhar e estudar, mais precisamente trabalhar para estudar, há uma profunda interferência nas atividades do quotidiano trazendo prejuízos físicos e psicológicos.

Com o passar das semanas, as necessidades do trabalho sobrepõem-se a qualquer necessidade pessoal e académica, começando então uma das lutas do trabalhador-estudante que não consegue aplicar o seu estatuto, afinal, dependemos daquele trabalho para pagar a mensalidade do curso, o transporte, os livros e tudo o que qualquer estudante universitário necessita.

Como se defende a emancipação dos jovens se o acesso aos graus mais elevados de ensino lhes é negado pelos inúmeros entraves económicos que se acentuam? Como se defende a emancipação dos jovens sem se assumir que, para que estes possam concretizar projetos de vida, é fundamental que tenham vínculos estáveis e salários que lhes garantam condições para construir, de forma autónoma, o seu caminho pessoal e profissional?

É hora de acabar com a propina, de reforçar a ação social para as despesas adjacentes, de garantir residências aos estudantes deslocados e de valorizar o emprego científico. É hora de efetivar um Ensino Superior público, gratuito, democrático e de qualidade.

© 2021 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no Facebook, Twitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER
PUBLICIDADE • CONTINUE A LER
PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Leia também