João Salazar
22 anos. Estudante de Licenciatura em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores no Instituto Politécnico do Cávado e do Ave. Presidente de Direção da Associação Tuna Académica do IPCA. Natural de Guimarães. Forte gosto pela música e desporto.

Presidenciais 2021 – porque votamos?

Depois de um ano tão atípico, cabe-nos a nós, portugueses, exercer o direito ao voto para as presidenciais. Estão incluídos candidatos que representam todo o espectro político português, num cenário relativamente diferente aos anos anteriores, uma vez que este introduz uma pandemia que veio para ficar.

Desde logo a necessidade de medidas que incentivem o voto de forma segura, dado que as condições sanitárias atuais tornam difícil o voto presencial para todos, desde logo pessoas em isolamento, idosos, utentes de residências. Com o aumento exponencial dos casos e o confinamento temos a obrigação suplementar de manter a distância social, evitar ajuntamentos, partilhar objetos, enfim, usar de todo o cuidado em todo este processo eleitoral, que se reveste de maior importância pois vai escolher o mais alto dignatário de Portugal e Comandante Supremo das Forças Armadas.

Uma nota curiosa de como muito é necessário mudar na pesada máquina do Estado e da burocracia. Um boletim com 8 possibilidades de escolha, mas apenas com sete candidatos em condições de se apresentar às eleições presidenciais no próximo dia 24 de janeiro. Como facilmente demonstramos a fragilidade de um sistema, pesado e demorado a reagir, caindo mesmo nalgum ridículo de situação.

O que entendemos necessário nas qualidades de um Presidente, em particular no regime semipresidencialista? Desde logo a tolerância e a imparcialidade, numa posição de suprapartidarismo. Posição que respeita, de igual forma, a vontade dos eleitores e as combinações partidárias, conforme se observou no continente ou nos Açores, mesmo que a sua origem ideológica esteja bem vincada e, por vezes, mesmo contraditória das soluções encontradas.

Com efeito, Marcelo Rebelo de Sousa é um humanista cristão e adversário do socialismo e do experimentalismo social. Um candidato que procura o interesse nacional e não o partidário, limitante para uma visão de progresso e inovação, excluindo e segregando portugueses e com uma visão integradora da sociedade. Será que não nos recordamos do fluxo migratório dos anos 60 e que, em diferentes graus, se foi mantendo e não entendemos que nessas sociedades que nos foi acolhendo, construímos e contribuímos para o desenvolvimento do País?

Não podemos desperdiçar a oportunidade de manter um candidato da direita moderada, com elevada consciência social, que cria laços fortes com todos os portugueses…

Com estes exemplos recentes de populismo, que cria fraturas e ódios (como recentemente visto no Capitólio) não deveremos valorizar pontes e consensos que tanto o interesse nacional impõe? Não podemos desperdiçar a oportunidade de manter um candidato da direita moderada, com elevada consciência social, que cria laços fortes com todos os portugueses, que sabe ouvir e decidir, próximo e inspirador dos jovens, de quem foi promotor de conhecimento como Professor. Criou, independentemente da sua valorização, uma nova política de afetos e, também por isso e pelas dificuldades próximas, precisamos de um Presidente com experiência de vida, tolerante, integrador e com capacidade de influência e decisão. Mais do que apenas as sondagens, Portugal precisa, hoje, de Marcelo Rebelo de Sousa.

© 2021 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no Facebook, Twitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

2,728FansCurti
0SeguidoresSeguir
70SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Edição impressa

Leia também

Novo livro: Ferreira de Castro e(m) Guimarães

No âmbito do Dia Mundial do Livro, Álvaro Nunes e...

Síncope: artista Carlos A. Correia estreia hoje no espaço Oub’lá

O espectáculo está dividido em três partes. Músic...

Moreirense: início fatal afasta o 6º lugar

Nos primeiros 11’ da partida, o Moreirense sofreu...

Vitória: o resultado é bem melhor que a exibição

Com um golo de Rochinha (16’), o Vitória importou...

Vitória: inverter o ciclo com o Santa Clara

O jogo com o Santa Clara é crucial no resto do ca...