Filipe Fontes
Nasceu numa cidade pequena (S. João da Madeira, 1971), forma-se na cidade grande (FAUP, Porto, 1989-1995), exerce fugazmente a prática profissional liberal na cidade explodida (área metropolitana do Porto, Matosinhos, 1995-1996) e há muito trabalha sobre uma cidade média e o urbano sem limites (Guimarães e Vale do Ave, 1996-2018). Concilia a sua prática profissional no departamento de urbanismo do Município de Guimarães (atravessando todas as suas áreas – gestão urbanística, projecto e planeamento urbano) com formação académica complementar (pós graduação em cidades e desenvolvimento regional), voluntariado (pastoral prisional da diocese de Braga), escrita regular sobre questões da cidade e do território (nomeadamente em meios de comunicação social, Público e Correio do Minho) ou outras formas literárias (autor dos livros Sr. Jota e Filicidade, escritos sobre a cidade), coleccionismo e participação pública na convicção de que tudo conta, e o beneficia, enquanto homem de cidade que trabalha sobre a cidade.

O Tempo e a saudade

Tema recorrente nos textos já publicados, o tempo é elemento dito “incontornável” na leitura e na análise da realidade, não numa perspectiva maniqueísta e matemática, não num modo quantificado e balizador de ritmo e cadência, mas como factor que empresta perspectiva a essa mesma realidade, atribuindo-lhe um significado feito presente, um legado feito passado e uma esperança ou antecipação que se faz futuro.

O tempo não é inócuo nem lateral, antes suporte essencial à nossa acção e entendimento das causas e consequências dessa mesma nossa acção.

E se para todos será consensual que o tempo actual é tempo pandémico, tempo aglutinador e agrilhador, tempo securitário e temeroso, não é menos verdade que ele não deixa de ser muitas “outras coisas” porque, no final, a constatação é sempre a mesma: o tempo não pára e, por igual, passa por todos nós.

O último mês foi fértil neste tempo desmultiplicado em muitos tempos e significados e que, ao autor destas palavras, trouxe a palavra saudade à tona e em forma de protagonista. Saudade no seu significado bom de tempo positivo passado, densificado e com forma, conteúdo e aprendizagem, consequência e vivência tão boa que nos deixa… saudade, ou seja, boa memória do tempo passado!

(ao contrário do que, muitas vezes se pensa, esta saudade não traduz vontade e desejo de que o tempo volte atrás e de reviver esses dias e horas. Muitas vezes, longe disso! Apenas traduz o reconhecimento da qualidade desse momento! E o quanto ele significa para quem o sente ou viveu!)

Estávamos no ano de 2011 e corriamos contra o tempo na construção de um projecto único que a todos entusiasmava e motivava…

Em encontro fugaz e troca de palavras rápidas e curtas, fui confrontado com o tempo de dez anos atrás e o quanto andaria, andariam muitos de nós, Guimarães andaria, atarefados, afogueados, assoberbados, focalizados, envolvidos no projecto (ainda) da capital europeia da cultura. Estávamos no ano de 2011 e corriamos contra o tempo na construção de um projecto único que a todos entusiasmava e motivava. Não isento de erros e dificuldades, retrocessos e desesperos, é certo! Mas, sem dúvida, focados e determinados, convictos de que o “bom sucesso” só poderia ser o resultado final.

Pensava-se e construía-se a cidade enquanto polis e urbis, numa produção que, ainda hoje, se afigura sem igual e geradora de alguma interrogação de admiração e estupefacção de “como foi possível…”.

E assim, confrontado com este tempo de dez anos atrás, inevitavelmente, a saudade foi reavivada e acarinhada. Como todos os bons tempos merecem ser tratados!

Em encontro que de fugaz nada teve, repetindo-se este encontro diariamente anos a fio… percebo e sou confrontado com a chegada da “reforma” de colega, amigo, cúmplice, pessoa admirada.

Não resistindo ao impulso e imediatismo da pergunta feita surpresa “já?”, a “reforma” do meu amigo e companheiro trouxe à ribalta este tempo lento e quotidiano que passa em silêncio e anonimamente e que, aparentando inesgotável, também um dia tem um fim.

A “reforma” é o culminar deste tempo e é, regra geral, exemplo maior da contradição de sentimentos que a todos invade. Momento que não nos rouba a admiração e a amizade – porque essas dependem exclusivamente de nós – mas que leva conhecimento, informação e experiência acumulada e que, tantas vezes, tão necessária e rica é. De tal forma que à “reforma” deveria seguir-se sei lá o quê, mas qualquer coisa feita de presença e continuidade descomprometida e tendente à transmissão de experiência e conhecimento, de informação e saber. No fundo, de pedagogia e relação informal e livre.

Sei que estes “tempos” fazem parte do tempo. E que o tempo não volta atrás. Mas não deixa de ser bom, e por isso, saudoso, voltar dez anos atrás e relembrar o quanto sorria. Mas não deixa de ser obrigatório fixar o momento de quem abraça um novo contexto de vida e se afasta do seu ambiente profissional. O que, só por isso, já deixa saudades…

Valorizar o tempo vivido resulta na conclusão maior desta diversidade de “tempos”. Aproveitar a sua riqueza é obrigação e oportunidade. Até porque, e no caso, poucos momentos há que se repitam. E quando acontecem, raramente são o que foram…

© 2021 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no Facebook, Twitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

2,728FansCurti
0SeguidoresSeguir
70SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Edição impressa

Leia também

Novo livro: Ferreira de Castro e(m) Guimarães

No âmbito do Dia Mundial do Livro, Álvaro Nunes e...

Síncope: artista Carlos A. Correia estreia hoje no espaço Oub’lá

O espectáculo está dividido em três partes. Músic...

Moreirense: início fatal afasta o 6º lugar

Nos primeiros 11’ da partida, o Moreirense sofreu...

Vitória: o resultado é bem melhor que a exibição

Com um golo de Rochinha (16’), o Vitória importou...

Vitória: inverter o ciclo com o Santa Clara

O jogo com o Santa Clara é crucial no resto do ca...