23.4 C
Guimarães
Terça-feira, Abril 23, 2024
José Eduardo Guimarães
José Eduardo Guimarães
Da imprensa local (Notícias de Guimarães, Toural e Expresso do Ave), à regional (Correio do Minho), da desportiva (Off-Side, O Jogo) à nacional (Público, ANOP e Lusa), do jornal à agência, sempre com a mesma vontade de contar histórias, ouvir pessoas, escrever e fotografar, numa paixão infindável pelo jornalismo, de qualidade (que dá mais trabalho), eis o resultado de um percurso também como director mas sempre com o mesmo espírito de jornalista… 30 anos de jornalismo que falam por si!

Política: realidade e fotografia

A classe política está cheia de sonhadores e… inventores! Puxando pela sua veia ‘inovadora’, incluem na sua agenda política coisas que ninguém entende, nem a sociedade respira. E precisa.

São ‘invenções’ para além da realidade. O tema da ‘insegurança’ foi badalado por Passos Coelho no chamado regresso à política.

O homem que divide o País – por o ter salvo da banca rota (no pós-Sócrates) e por ter feito um enorme aumento de impostos e cortes nas pensões – mostrou que não está em forma. 

À falta de assunto, tentou jogar num campo onde André Ventura joga sempre cheio de adeptos seus. E vai daí correu atrás dele e de uma agenda enganosa porque os portugueses não viraram todos à direita e muito menos à extrema-direita.

Conheço votantes (e não adeptos) do Chega, muito boas pessoas e que estão longe – muito longe – de se identificarem com os valores ultra de uma extrema direita com poucos apoiantes

O que sentem – e demonstram isso – é que 50 anos depois do 25 de Abril, o País, a Nação ou a República fez marcha-atrás na educação e ensino, na saúde, na cultura, apesar de os avançados conquistados num passado mais recente.

De repente, os cidadãos deram-se de caras com falta de dinheiro, com falta de casa, com falta de creches – e a população não aumentou como revelam os Censos – com escolas a fechar, sem que o Estado (autarquias incluídas) tenham despertado para este foco de ‘caos social’ que atrapalha a normalidade da sociedade.

Entre o saber e o não saber, preferem este último, jogam sempre nos contrários.

Os políticos ou aprendizes de políticos parecem todos ler a mesma cartilha: fazem uma ideia sobre o diagnóstico dos problemas e não têm ideia sobre as soluções; falam todos de cátedra, sem estudos, sem planos, sem discussão pública – didáctica e pedagógica – não gostam de números (que mostram a realidade). Entre o saber e o não saber, preferem este último, jogam sempre nos contrários. É o eterno científico a bater-se com o empírico.

E aparentam ser bons na insinuação: pela fotografia, pelo vídeo, alguns até são comentadores e actores das suas produções áudio-visuais, comunicando o que pensam que é comunicável e como se o cidadão – e a sociedade – fossem um bando de analfabetos que não conhecem a realidade das empresas, das instituições, das pessoas, fazem orações políticas banais.

É de rir, nesta teatralidade, vê-los (sem ideias) falar de justiça, de economia, de saúde, etc, etc, sem ter a noção de quem é quem, num quadro de competências legais – sobre estas matérias.

São os políticos que, desconhecedores da realidade – mas conhecedores dos efeitos dos seus empregos – nos impingem uma agenda política que não vão cumprir – por mais influentes que julgam ser.

Para eles – e esses – a política é um meio (de chegaram ao poder e a outras coisas) e não um fim para contribuírem para uma sociedade mais justa.

Antes de eleitos, já são reféns – de interesses imorais – porque assumem compromissos sem saber se os podem cumprir.

Neste folclore político, filmado e retratado, reportado – só falta mesmo compactá-lo em podcast – os políticos mostram mais porque querem ir para o poder – utilizando a sua imagem, porventura relações prosmíscuas anteriores – tácticas avulsas de marketing, agrupando-se em sindicatos de voto, e juntando-se num café qualquer dividindo o poder que querem conquistar entre os que mais votos dão ao chef(e)…

Quanto a ideias, medidas, isso é uma chatice que ninguém quer assumir…

© 2024 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no FacebookTwitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER
PUBLICIDADE • CONTINUE A LER
PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Leia também