15.1 C
Guimarães
Segunda-feira, Julho 15, 2024

País: Governo diz que economia cresce 6,8% em 2022

Economia

A economia portuguesa cresce 6,8% em 2022, acima dos 6,5% estimados no Orçamento do Estado para 2023, afirmou o Ministro das Finanças, Fernando Medina.


O Ministro das Finanças, Fernando Medina, numa conferência de imprensa em que, juntamente com os Ministros da Economia e do Mar, António Costa Silva, e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, fez o balanço do ano de 2022 na economia, emprego e finanças públicas. Fernando Medina disse que, com este resultado, a economia mostrou resiliência e «derrotou todos os pessimismos».

O crescimento da economia em 2022 foi também referido por António Costa Silva, que o classificou de exemplar, tendo em conta o contexto externo e a subida de preços da energia. O Ministro da Economia e do Mar sublinhou ainda que, em 2022, as exportações vão representar metade do Produto Interno Bruto.

© DIREITOS RESERVADOS

Mitigar impacto da crise

O Ministro das Finanças disse também que o valor dos apoios à economia para mitigar o impacto da inflação e do aumento do preço da energia superou o montante anual despendido com a pandemia em 2021 ou em 2020. Fernando Medina, afirmou que durante o ano de 2022 foram injectados na economia, através de apoio às famílias mais vulneráveis, às classes médias, às empresas, designadamente à com grande consumo energético, “um valor de quase 6150 milhões de euros”.

O responsável pelas finanças disse ainda que, tal como o Governo tinha prometido, “todo o acréscimo da receita de IVA foi devolvido aos cidadãos através das medidas de apoio ao rendimento das famílias e do conjunto das medidas destinadas à redução ou mitigação dos aumentos de preços”.

Apoio à infância e às famílias

A Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, destacou que 7254 crianças estão registadas para beneficiar de creches gratuitas no sector privado. Ana Mendes Godinho destacou, entre as medidas estruturais de 2022, a gratuitidade das creches, “uma medida transformadora do ponto de vista social, do ponto de vista do mercado de trabalho e do ponto de vista dos jovens”.

“É uma medida que neste momento já abrange 45 mil crianças, e a partir de 1 de Janeiro abrangerá também crianças que estejam no sector privado, sempre que não existam vagas no sector social”, disse. Para o efeito, acrescenta-se, é criada uma bolsa de creches, à qual podem aderir as dos sectores privado ou solidário sem acordo de cooperação com o Instituto de Segurança Social.

A medida aplica-se a todas as crianças nascidas a partir de 1 de Setembro de 2021, inclusive, que frequentem as creches aderentes no concelho de residência ou do local de trabalho dos pais ou de quem exerce as responsabilidades parentais e não tenham vagas no local abrangidas pela gratuitidade da rede social e solidária.

📸 António Pedro Santos/Lusa | in: portugal.gov

© 2023 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no FacebookTwitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Últimas Notícias