Paula Mendes
Nascida e criada na cidade Berço, foi em Aveiro que comecei o meu caminho pelo mundo do Marketing, mas também onde comecei a perceber os desafios que nós, mulheres, enfrentamos ao longo de toda a vida. Considero-me uma feminista convicta, pois acredito num mundo justo onde, apesar de diferentes, temos todos direitos iguais. Não vais concordar com tudo o que escrevo nem com tudo o que penso, também não é esse o objetivo. Quero que absorvas o que lês e penses, que discordes, que apresentes argumentos e que tenhas vontade de procurar mais informação e de ler mais.

Uma dor que não se vê, mas que deveras se sente…

A cantora brasileira Anitta veio a Portugal e para além de dar show trouxe para o debate público uma doença que até ao momento era do desconhecimento de grande parte da população.

Após terminar a digressão, a cantora postou nas suas redes sociais uma fotografia no hospital, pronta para ser operada devido a uma doença que lhe foi diagnosticada, a endometriose.

Mas ao certo o que é a endometriose?

Trata-se de uma doença crónica, hormonal que ocorre quando o endométrio, o tecido que reveste a parte interna do útero, começa a aparecer noutras zonas do corpo, causando hemorregias nesses locais. Os dois principais tipos de sintomas associados a esta doença são dores menstruais fortes, dores durante as relações sexuais e dores ao evacuar ou urinar.

O fator mais preocupante nesta doença é o tempo que demora a ser diagnosticada, em média entre 7 a 8 anos. Entre as razões para esta demora na atribuição de um diagnóstico estão, a falta de informação que ainda existe sobre a doença, uma vez que a ginecologia é uma área que, tal como a mulher foi conquistando o seu lugar na sociedade e no hospital e ainda tem um longo caminho pela frente. Mas também o facto de a sociedade aceitar como algo normal a sensação de dor nas pessoas que menstruam.

Desde a menarca, a primeira menstruação, que nos é dito que é normal sentir dor, às vezes dores completamente incapacitantes. Somos aconselhadas a tomar medicação que atenue as mesmas ou até mesmo que as escondam. Mas por mais hormônios que tomemos, o problema não desaparece, fica apenas adormecido à espera do momento certo para atacar novamente.

A endometriose é uma doença crónica, logo não tem cura, no entanto podem ser tomadas várias ações que permitirão à mulher ter uma melhor qualidade de vida.

O diagnóstico tardio leva muitas mulheres a sofrerem durante anos e anos.

Estima-se que 10% das mulheres em idade fértil sofram de endometriose, uma doença que não as afete apenas a nível físico, mas que também tem grandes repercuções a nível emocional. O diagnóstico tardio leva muitas mulheres a sofrerem durante anos e anos, sem saberem ao certo o que se passa, mas tendo a certeza de que algo não está bem.

São várias as que procuram médicos de várias especialidades na esperança que as dores acabem. São várias as que tentam por todos os meios explicar que o que sentem não é normal e que merecem ter uma vida sexual prazerosa e não penosa.

Foram feitos grandes progressos ao nível ginecológico nos últimos anos, mas ainda há muito a fazer. É preciso que tanto os especialistas como a sociedade percebam que não é aceitável viver com dor, com uma dor que nos afeta ao ponto de nos incapacitar e, como tal, devem ser sempre procuradas respostas que apazigoem o sofrimento destas pessoas e encontrados tratamentos que lhes devolvam a vida, uma vida sem dor.

Fontes:

© 2022 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no Facebook, Twitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- publicidade -
- publicidade -
- publicidade -

Leia também