3.9 C
Guimarães
Segunda-feira, Janeiro 30, 2023
Alberto Martins
Alberto Martins
Alberto Martins, 41 anos é empresário e licenciado em Gestão. Atualmente é ainda presidente da Junta de Freguesia da Vila de São Torcato desde 2017, tendo já sido tesoureiro desde 2005 até 2017. Trabalhou e colaborou com diversas empresas, de onde se destaca a empresa Coming Future e a empresa JF Economista Internacionais.

Os transportes públicos e a coesão do território…

A pandemia por covid-19 veio revolucionar os nossos hábitos de vida e provocou um conjunto alargado de alterações no nosso quotidiano, com consequências também nos serviços públicos e no acesso aos mesmos. Neste contexto assistimos a diversos problemas, uns estruturais como por exemplo nas conservatórias, com atrasos mais compagináveis com países de terceiro mundo e outros circunstanciais, provocados por fatores exógenos, como assistimos atualmente com a pandemia por covid-19.

Neste âmbito o acesso aos transportes públicos é no meu ponto de vista fundamental na coesão territorial, sobretudo nas populações mais distantes dos centros urbanos. Em muitos locais os transportes públicos são a única ligação ao “mundo”, aos serviços de saúde, aos estabelecimentos de ensino ou aos serviços públicos gerais como são as finanças ou a segurança social.

Estes territórios já apresentam estruturalmente um défice em termos de oferta de transportes públicos, limitando ainda mais a fixação de população nestes locais. Depois de uma fase de resguardo, por parte significativa da população, iniciamos um processo de desconfinamento, com o regresso a uma nova normalidade relativa, onde os transportes públicos revestem-se da maior importância, sendo claramente um dos principais fatores de coesão territorial.

Contudo e sabendo da dificuldade na gestão deste complexo processo, quer pela Câmara Municipal, quer pelo concessionado, é imperioso o reforço da oferta nas periferias do Concelho de Guimarães. Sem a reposição da oferta pré covid-19, já de si deficitária, podemos estar perante o maior obstáculo ao desenvolvimento destes territórios, em muitos anos e a um reforço da desigualdade enquanto comunidade.

Acresce ainda que esta parca oferta resulta em maior concentração de utilizadores em horários críticos, colocando em causa o controlo efetivo da pandemia que ainda vivemos e impele a população à utilização de viatura própria em detrimento dos transportes públicos, castigando ainda mais o ambiente.

“Urge encontrar soluções que permitam, que estas populações possam trabalhar, estudar ou praticar os seus direitos sociais e cívicos…”

Assim, é fundamental agir rapidamente na reposição de horários, dar primazia a esta prioridade. Urge encontrar soluções que permitam, que estas populações possam trabalhar, estudar ou praticar os seus direitos sociais e cívicos de forma digna e equitativa, tendo sempre como objetivo principal o reforço da coesão territorial.

© 2020 Guimarães, agora!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER
PUBLICIDADE • CONTINUE A LER
PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Leia também