11.1 C
Guimarães
Terça-feira, Fevereiro 7, 2023
José Eduardo Guimarães
José Eduardo Guimarães
Da imprensa local (Notícias de Guimarães, Toural e Expresso do Ave), à regional (Correio do Minho), da desportiva (Off-Side, O Jogo) à nacional (Público, ANOP e Lusa), do jornal à agência, sempre com a mesma vontade de contar histórias, ouvir pessoas, escrever e fotografar, numa paixão infindável pelo jornalismo, de qualidade (que dá mais trabalho), eis o resultado de um percurso também como director mas sempre com o mesmo espírito de jornalista… 30 anos de jornalismo que falam por si!

O significado e o efeito…

A indicação pelo VSC SAD de Amadeu Portilha para integrar a direcção da LPFP, como vogal, tem um significado e veremos se terá um efeito.

O significado pode ser transversal: uma vontade (e tentativa) de fazer com que o VSC se abra mais à sociedade – para além da ligação umbilical via cartão de sócio de alguns vimaranenses – e, sobretudo, saiba conviver com ela para o bem e para o mal; e um desejo de acelerar algumas reformas no futebol português, a começar pela LPFP – acentuando a sua qualidade de representante do futebol enquanto indústria e fazendo com o que o VSC ganhe mais importância na representação do futebol nacional – a começar pela AF de Braga e chegando à FPF.

Pode ser o início de um regresso a um passado remoto, bem sucedido, da era Gil Mesquita/ Fernando Roriz com os efeitos que se conhecem: respeito e consideração pelo Vitória, realização em Guimarães de eventos desportivos.

Para além das representações noutros órgãos da arbitragem de Dinis Monteiro e Raúl Rocha (o seu pai Hélder também marcou presença na direcção da FPF durante muitos anos).

Há mais:

Também, este pode ser um sinal, a par de outros, de que esta direcção quer começar do zero, em muitas áreas. E fazer com que o Vitória deixe de ser um clube descontinuado, de avanços e recuos, de altos e baixos, assumindo a estabilidade como factor essencial de crescimento. E afaste a fatalidade de que tem de ser assim… como tem sido!

Com défices sucessivos e passivos que cortam as veleidades às direcções seguintes.

E a viagem em direcção à lua não se faça invertendo o rumo em direcção ao abismo, como acontece com a situação financeira com défices sucessivos e passivos que cortam as veleidades às direcções seguintes. 

O efeito dependerá de inúmeros factores a começar pelo papel que Amadeu Portilha quer protagonizar enquanto representante do Vitória num órgão com regras bem definidas e com uma estrutura (muito profissional e técnica), com fins de gestão e organizadora de competições e com uma organização a roçar o que se vê noutras ligas europeias.

Comecemos pelo princípio: a origem da representação do Vitória SAD na Liga tem um vício: a participação por cooptação, logo dependente da vontade dos três grandes. São estes que indicam os vogais da direcção, o que dá a ideia de que são Porto, Benfica e Sporting que mandam.

Como representação circunstancial, perde força – embora não cale a voz ao seu representante – porquanto muitas reformas precisam de consenso alargado dos clubes. 

Depois, a Liga tem um presidente com enormes poderes e vários directores executivos com funções clarificadas, o que reserva à direcção e aos seus membros um papel de (quase) confirmar decisões e procedimentos.

Ou seja, as alterações “legislativas” ao status quo do futebol, no aspecto competitivo, terão de obedecer a um conjunto de negociações entre clubes e órgãos que podem deixar tudo como está. E no actual contexto parecem depender – estranhamente – mais de um presidente do que dos clubes.

O papel de Amadeu Portilha enquanto vogal da direcção será exercido uma vez por mês, durante três horas – o tempo de duração das reuniões – e em alguns casos pode ser privado do direito de voto, em questões de conflitos de interesse entre o Vitória e a Liga.

E não será fácil tendo em atenção os objectivos que a Vitória SAD julga poder atingir no quadro estrito da acção da direcção.

O VSC também neste particular da representação tem de começar do zero porque não há nada feito – de sustentável – no passado recente, em qualquer órgão distrital ou nacional do futebol português, de quem houve um desligamento e desinteresse.

As questões que o VSC quer defender – igualdade de participação nas receitas televisivas, justiça mais uniforme para todos os clubes, reformas que acentuem ainda mais o carácter de indústria do futebol – exigem mais interesse global – de todos os clubes – do que apenas do Vitória.

E defendem-se mais internamente – no seio de todos os órgãos – do que em berros, protestos, manifestações, invasões de campo, declarações dos directores.

Há, entre os vitorianos, o papel de vítima assumido que os leva mais para a confrontação do que para a promoção de consensos, de reformas.

É evidente, também, que subjacente a esta representação nacional do clube, terá de haver uma estratégia clara de começar do zero – sem medos – e projectar ambições que se concretizem – e não sejam meras retóricas.

E de que esta missão não seja mais de quem dirige e passe a ser comungada por quem é dirigido – sempre a exigir mais do que é possível, num clube ameaçado por erros de gestão da altura da montanha da Penha. E que não são punidos.

© 2022 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no Facebook, Twitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER
PUBLICIDADE • CONTINUE A LER
PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Leia também