32.3 C
Guimarães
Quarta-feira, Julho 24, 2024
Eduardo Fernandes
Eduardo Fernandes
Vimaranense de gema, licenciado em Engenharia e Gestão Industrial pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto e Pós-graduado em Economia Industrial e da Empresa pela Escola de Economia e Gestão da UMinho. De momento a trabalhar na área financeira num dos maiores bancos do mundo. Verdadeiramente apaixonado por um bom tour de fim de semana pelos recantos gastronómicos e culturais vimaranenses.

Falta dinheiro para pagar a água em Ponte

À primeira vista, o/a leitor/a pode olhar para este título e até abrir o artigo por mera curiosidade, mas garanto-lhe que a reflexão que aqui apresento vai muito para além da freguesia de Ponte e da pequena gestão autárquica que ali se pratica.

Caro/a leitor/a, deixe-me, primeiramente, fazer-lhe um enquadramento do título aqui apresentado: no dia 12 de Outubro de 2023 foi votado, na reunião da Câmara Municipal, um subsídio à Junta de Freguesia de Ponte no valor de 2100 euros para pagar os consumos de água de um “Parque inclusivo” construído junto à zona industrial da freguesia.

© Direitos Reservados

Feitos os devidos enquadramentos, deixe-me lembrar-lhe, caro/a leitor/a, que a vila de Ponte, a maior vila em população do concelho de Guimarães, tem em curso, para este ano civil, um orçamento de mais de 332 mil euros. Nestes mais de 332 mil euros, a Junta de Freguesia, e o seu brilhante presidente, não conseguiram encaixar uma despesa que representa cerca de 0,63% do seu orçamento. Uma despesa que não representa sequer 1% do orçamento anual! A isto é que o povo costuma chamar: andar a contar os trocos.

Uma freguesia que cresceu, é verdade. Mas a que custo?

Nesta fase, pensa o caro/a leitor/a: por que é que isto é importante para mim? Não vivo em Ponte. Pois, caro/a leitor/a, não vive em Ponte, mas, certamente, vive em Guimarães. E, em Guimarães, o Sr. Presidente da Junta de Freguesia de Ponte é Presidente do Conselho de administração de uma empresa municipal chamada Vitrus. E, neste particular, é muito importante o exemplo de gestão que Sr. Presidente da Junta de Ponte deixa na sua freguesia. Uma freguesia que cresceu, é verdade. Mas a que custo?

A maior vila do concelho que apostou na plantação de palmeiras, exorbitantes e luxuosas obras viárias, homenagens a santos, mas que foi incapaz de construir uma creche e que, como temos visto, também já não consegue pagar a água dos seus parques infantis/inclusivos.

Na gestão da coisa pública, devemos querer gente cuidadosa. Devemos apostar em pessoas com visão. Devemos eleger gente que tenha projetos sustentados e sustentáveis. E quando falo de projetos sustentáveis, não quero que sejam sustentáveis só quando o Sr. Presidente de Câmara dá o dinheiro, mas que sejam sustentáveis muito para além deste ou daquele presidente.

Em Ponte, quem vier que feche a porta.
Na Vitrus, vamos ver.

© 2023 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no FacebookTwitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER
PUBLICIDADE • CONTINUE A LER
PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Leia também