6.3 C
Guimarães
Segunda-feira, Fevereiro 6, 2023
Paulo Branco
Paulo Branco
Mergulhado mais de duas décadas no urbanismo e arquitectura, acostumou-se a reflectir sobre a organização humana e os seus efeitos em muitos sítios e cidades, alguns Países, e num único planeta que reclama uma mudança profunda de comportamentos. Amante da leitura e da música, acredita (ingenuamente) que o progresso assenta no desenvolvimento cultural e espiritual do indivíduo e das sociedades esperando que um dia o trabalho seja verdadeiramente libertador e a harmonização entre pessoas e o meio artificial e natural constituam a maior fonte de equilíbrio e felicidade.

Bom Natal?

Quando se trata de um lugar, o espaço e o tempo assumem um único e preciso valor deixando de ser abstracção matemática, rigor geométrico ou um assunto de estética; adquirem uma identidade e passam a ser uma referência para a nossa existência enquanto espaço sagrado e secular, pessoal e colectivo, natureza e cidade, rua e casa, ruína e reconstrução. As cidades, consagradas por estes princípios devem conhecer, como a natureza, a renovação e a serena ascese das auroras e ocasos na simbiose com o meio e a diversidade humana.

Como o movimento do sol define em parte o modo como lemos o espaço, a actividade ou passividade dos homens, mulheres, crianças, animais, plantas, rios e mares, definem o espírito específico dos lugares – espaços com tempo e histórias ancoradas num ponto preciso da terra com a sua abóbada, o seu céu, a sua estrela.

Assim a cidade, mais que o abrigo da organização do social, tem o direito de relativizar o eminentemente prático para exacerbar o filosófico, o político, a transcendência, a arte e a cultura, no fundo a importância simbólica se apoiada porém, acima de tudo, no elemento humano, suas expressões e necessidades; sim, se é certo que a multiplicidade de pensamentos e prioridades enriquece a cidade, também é certo que a sua harmonização e correlação, mais ou menos pacífica, com maior ou menor nível de justiça, é o ponto nervoso que pode despoletar picos altos ou baixos de civilidade, de civilização.

Segundo dados da ONU e da OCDE, em 2050 3/4 da população viverá em cidades! Os recursos, o espaço e o ambiente terão que ser racionalizados e as vertentes económicas, culturais, ambientais e de bem-estar deverão reequilibrar-se com os genuínos valores civilizacionais, neste momento tão ameaçados pela escalada de bipolarização e incitamento a fraturas (o que uma pandemia exacerba…).

Cumpre-nos, porventura, entender que erros e que perpetuadas injustiças cometem os “Estados de Direito”

Gostamos de cidades, de utopias quase oníricas onde o sol nasce para todos e os passarinhos vem comer à mão de alegres cidadãos que gostam de cidades – dinâmicas, equilibradas e justas. Urge então perceber que monstro adormecido estava debaixo das camas, como o alimentamos e que fermentação encontra espaço para disseminar tanta revolta; cumpre-nos, porventura, entender que erros e que perpetuadas injustiças cometem os “Estados de Direito”, as democracias, para que esta vaga de intolerância primária se manifeste tão generalizadamente.

A cidade é uma boa parte do nosso cosmos visível – ela expande-se em interacções sem fim, expressando-se em brilhos e Supernovas mas também em buracos negros de tumultos e fracturas que sugam toda a energia humana para vácuos existenciais. Estejamos pois atentos a outras pandemias que podem tornar-se sistémicas se uma venda escura não nos deixar perceber a raiz do ódio, ou desespero, que quase invariavelmente acolhem a simpatia do egoísmo e da ganância mas também da ignorância, pobreza e marginalização.

Estamos cientes da escuridão que nos cerca mas é nela que melhor brilha uma estrela.

E, claro que sim, Bom Natal!

© 2020 Guimarães, agora!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER
PUBLICIDADE • CONTINUE A LER
PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Leia também