José Eduardo Guimarães
Da imprensa local (Notícias de Guimarães, Toural e Expresso do Ave), à regional (Correio do Minho), da desportiva (Off-Side, O Jogo) à nacional (Público, ANOP e Lusa), do jornal à agência, sempre com a mesma vontade de contar histórias, ouvir pessoas, escrever e fotografar, numa paixão infindável pelo jornalismo, de qualidade (que dá mais trabalho), eis o resultado de um percurso também como director mas sempre com o mesmo espírito de jornalista… 30 anos de jornalismo que falam por si!

Oportunidade de ouro!

A intenção manifestada – mais uma vez – pelo Município de fazer coabitar uma rua para carros (a sul) e outra para peões (a norte), em toda a extensão da Alameda de S. Dâmaso e no Toural e de transformar a rua de Santo António, apenas numa artéria pedonal, num verdadeiro jardim comercial, é uma oportunidade que vale ouro no desenvolvimento da cidade e do seu coração. A perda evidente de vivacidade (nocturna e diurna) e “músculo” com o fecho de lojas de marcas, de encerramento de agências bancárias, com a crise que chegou aos consultórios médicos, e cafés com identidade histórica e patrimonial como o “Oriental” e o “Toural” – visíveis ainda nos anos 60, para além dos moradores que preferiram os apartamentos às casas tradicionais das cidades mais habitadas, tornou o centro de Guimarães apenas um sítio para a fotografia. Esta (nova) oportunidade virá acrescentar ao investimento que o Município já fez no alojamento de carros em parques de estacionamento estruturantes e no que vai fazer no arranjo e requalificação de ruas históricas como a de D. João I e já fez em Camões, e vai fazer na Caldeirôa, são mais valias que ilustraram por certo o ar de uma cidade em ebulição e transformação – sem perder as qualidades que a distinguem. Nem apostar em megalomanias.

“É isto que importa ter em mente, Guimarães não se pode banalizar em capelinhas e os homens e mulheres que dirigem a cidade não podem temer por ousar e arrojar…”

Com o dinamismo da iniciativa privada que tem em carteira projectos de alguma dimensão, à volta do centro histórico, – e dos quais se espera que não sejam só “mais cimento”, o que era até hoje um torrão amorfo e sem dinâmica, feio e adulterado pelo tempo, libertará Guimarães e pode fazer dar um salto de enorme dimensão quando este ciclo de desenvolvimento se completar. É isto que importa ter em mente, Guimarães não se pode banalizar em capelinhas e os homens e mulheres que dirigem a cidade não podem temer por ousar e arrojar, fazer e complementar quem anda para a frente e arrisca, mostrando visão e estratégia, vincando o desenvolvimento e o crescimento, não se colocando no papel de banais servidores da causa pública. Os cidadãos não esperam que os seus governantes apenas governem a cidade para o voto, certo e fácil. Também gostam de ver ousadia – que não desperdício – de ver que quem olha pela cidade sabe o que faz e está à altura das circunstâncias e dos desafios.

Não podemos andar todos, sempre a ver, o que Braga e Famalicão fazem, sobe pena de ao olhar para trás e descontando a mais valia da cidade histórica e patrimonial, afinal, percebermos que na fila já não estamos em primeiro mas com o quarto e o quinto à nossa ilharga. E tudo porque vivemos de acusações mútuas. A hora é de decisão e menos de reflexão porque o diagnóstico já foi feito e o estudo já está preparado. E devemos contar com a arquitectura e com a engenharia para resolver o que não podemos. Nem sabemos. Todos gostamos que Guimarães seja um presépio – que nos trás lindas recordações. Mas desejamos que o Menino Jesus, S. José e Maria, estejam vivos, comunguem connosco a vida diária de um centro, outrora praça comercial das mais importantes do país, animada pelo vai-e-vém de pessoas, pelos serviços, pela actividade bancária, por uma consulta no médico. Não nos podemos contemplar apenas e ver ao espelho, há que acabar com esta rotina, apenas dando às pessoas o que hoje se entrega aos carros. Ocupar casas e edifícios com pessoas e serviços, fazer com que o comércio revitalize a cidade, que haja novas oportunidades de negócio, que o Natal comercial esteja ao nível de uma cidade urbana europeia e não seja uma mera festa de aldeia, que as iluminações tenham sentido e não sejam motivo de propaganda.

© 2019 Guimarães, agora!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

2,728FansCurti
0SeguidoresSeguir
70SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Edição impressa

Leia também

Novo livro: Ferreira de Castro e(m) Guimarães

No âmbito do Dia Mundial do Livro, Álvaro Nunes e...

Síncope: artista Carlos A. Correia estreia hoje no espaço Oub’lá

O espectáculo está dividido em três partes. Músic...

Moreirense: início fatal afasta o 6º lugar

Nos primeiros 11’ da partida, o Moreirense sofreu...

Vitória: o resultado é bem melhor que a exibição

Com um golo de Rochinha (16’), o Vitória importou...

Vitória: inverter o ciclo com o Santa Clara

O jogo com o Santa Clara é crucial no resto do ca...