UMinho: há meia centena de cientistas entre os mais influentes do mundo

A Universidade do Minho tem 53 cientistas no grupo dos 2% mais influentes do mundo ao longo do último ano, segundo um estudo da Universidade de Stanford (EUA) e do grupo editorial Elsevier


A lista, chamada “World’s Top 2% Scientists 2021”, inclui 190 mil cientistas, sendo 703 deles de Portugal. A Universidade do Minho surge com 15 centros de I&D representados e o seu primeiro cientista na lista global é Fernando Pacheco-Torgal (6088º lugar).

O Centro de Engenharia Biológica (CEB) aparece com 17 cientistas: Aloia Romaní, António Vicente, Artur Cavaco-Paulo, Eduardo Gudiña, Eduardo Soares, Eliana Souto, Joana Azeredo, José António Teixeira, Lígia Rodrigues, Lucília Domingues, Madalena Alves, Mariana Henriques, Miguel Gama, Nuno Cerca, Rosário Oliveira, Russell Paterson e Sónia Silva. 

Segue-se o Centro de Física com oito representantes: Carlos Miguel Costa, Clarisse Ribeiro, José González-Méijome, Nuno Peres, Pedro Martins, Senentxu Lanceros-Mendez, Vasco Teixeira e Yuliy Bludov. 

Já o grupo 3B’s conta com seis (Banani Kundu, Manuela Gomes, Miguel Oliveira, Nuno Neves, Rui L. Reis, Subhas Kundu) e o Centro Algoritmi com quatro (João Luís Afonso, Paulo Cortez, Sérgio Pereira, Vítor Monteiro).

📸 Direitos Reservados

Da parte do Instituto de Sustentabilidade e Inovação em Engenharia de Estruturas estão Joaquim Barros, Paulo Lourenço e Tiago Miguel Ferreira. Com dois cientistas aparecem o Centro de Biologia Molecular e Ambiental (Jorge M. Pacheco, Ronaldo Sousa), o Centro de Ciência e Tecnologia Têxtil (Andre Zille, Raul Fangueiro), o Centro de Microssistemas Eletromecânicos (Filipe Samuel Silva, Paulo Flores), o Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (António Salgado, Nuno Sousa) e o Núcleo de Investigação em Políticas Económicas e Empresariais (José Carlos Brandão, José Carlos Pinho). 

A lista inclui ainda Rita Figueira (Centro de Química), Assunção Flores (Centro de Investigação em Estudos da Criança), Fernando Pacheco-Torgal (Centro de Investigação em Território, Ambiente e Construção), José Brilha (Instituto de Ciências da Terra) e Júlio Viana (Instituto de Polímeros e Compósitos).

O documento apresenta os melhores investigadores do planeta por 22 áreas e 176 disciplinas, considerando o seu índice, o volume de publicações e as citações dos seus trabalhos, segundo dados da base Scopus até Agosto de 2021.

Esta lista anual surgiu em 2019, com o objectivo de criar um repositório público sobre o impacto e a influência dos investigadores no progresso do conhecimento científico e para combater abusos de auto-citação.

Há uma semana, foi também publicada uma lista que representa 1% dos cientistas mais citados do mundo – “Highly Cited Researchers 2021”, da Clarivate Analytics e com dados da base Web of Science entre 2010 e 2020 -, incluindo dois investigadores da Universidade do Minho entre 6602 a nível mundial. No planeta há mais de oito milhões de cientistas.

© 2021 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no Facebook, Twitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- publicidade -
- publicidade -
- publicidade -

Leia também