22.3 C
Guimarães
Domingo, Julho 14, 2024

Governo: nova Lei de Finanças Locais em preparação

Economia

O Governo vai apresentar uma nova Lei de Finanças Locais para “actualizar” de forma “transparente, previsível e justa” o quadro de recursos financeiros para os municípios exercerem as novas competências em matéria de descentralização, anunciou este Domingo o Primeiro-Ministro.

PUB

“Estamos focados em poder apresentar, em diálogo com os municípios, uma nova Lei de Finanças Locais que possa vir a actualizar este novo enquadramento e dar de forma transparente, previsível e justa os recursos financeiros de que os municípios precisam para exercer as competências que lhe foram atribuídas”, afirmou, referindo-se à descentralização de competências do Estado central para as autarquias.

Num discurso proferido na cerimónia que assinalou os 50 anos de elevação a cidade da Póvoa de Varzim, no distrito do Porto, o Primeiro-Ministro reafirmou o compromisso com a descentralização, defendendo que o processo “só vale a pena se as competências forem reais, se não forem apenas aparentes e se houver meios financeiros para executar essas competências”.

A alteração desta legislação tem sido uma reivindicação das autarquias. 

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) propôs, em Maio, “na verdadeira acepção do termo, uma nova Lei de Finanças Locais: uma lei que modernize Portugal e que seja em si mesma uma reforma do Estado, tornando-o mais eficiente e próximo das pessoas”.

Luís Montenegro elencou algumas das áreas em que o executivo interveio nos primeiros meses de governação, dando como exemplo a Educação.

“Nós tomámos posse há pouco tempo, já tivemos ocasião de decidir coisas importantes. Na escola pública, dando mais estabilidade ao ensino público, com medidas que querem – e espero mesmo que possam atingir – maior capacidade de termos professores nas escolas, para não termos tantos milhares de alunos que ficam para trás nas aprendizagens por não terem professor a pelo menos uma disciplina”, sublinhou o Primeiro-Ministro.

“Na Saúde, com um programa que é de emergência e de transformação.”

“Na Saúde, com um programa que é de emergência e de transformação. Na Solidariedade Social, ajudando os pensionistas que são os mais pobres dos pobres, aqueles que têm um rendimento inferior a 550 euros e que agora elevámos para 600 euros”, acrescentou.

Luís Montenegro destacou também as medidas tomadas nas áreas da habitação, “um sector fundamental para muitos portugueses poderem ficar em Portugal”, e da imigração, “regulando a entrada e permanência dos imigrantes”.

“Imigrantes que nós precisamos, que nós queremos acolher e integrar com dignidade. E é precisamente a pensar numa integração digna que é preciso não fechar a porta, mas também não a deixar completamente escancarada”, referiu o Primeiro-Ministro.

Foto © PSD | in: portugal.gov

© 2024 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no FacebookTwitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Últimas Notícias