Vitória: Varela defendeu tudo, André André marcou o primeiro golo

O triunfo do Vitória frente ao Paços de Ferreira, comprovou uma regra simples do futebol: quem não marca, sofre.

Bruno Varela, guarda-redes do Vitória, só não defendeu aquele remate de Phete que carimbou, o triunfo do Belenenses e a primeira derrota da equipa vitoriana. Em três jogos, tornou-se na estrela da equipa, por uma actuação deveras positiva na baliza onde foi capaz de desviar as intenções dos adversários.

No jogo mais atípico dos três já disputados, Varela resistiu ao massacre do Paços de Ferreira, defendendo tudo, o que era fácil e mais difícil. E por isso, tornou-se no jogador mais notório e mais notado da equipa neste começo da liga.

Sem que se entenda muito bem com que linhas se coze o sistema técnico e táctico com que Tiago pretende marcar a sua primeira experiência de treinador principal, o que tem ressaltado deste Vitória 20/21, são mesmo as referências individuais.

© Liga Portugal

Uma conclusão óbvia: o sector defensivo é o mais consistente e evoluído da equipa. A defender e o Paços de Ferreira voltou a pô-lo à prova; e a atacar, pois, Jorge Fernandes soma já dois remates de cabeça que indicavam o sinal de golo, dentro da área adversária. Nos três jogos, as mudanças na defesa resumem-se a dois jogadores: Carls por Sílvio e Abdul Mumin por Suliman.

No futuro, será este o sector onde o treinador terá menos dores de cabeça, pois dos cinco só resta um da época anterior Sacko, por sinal em bom plano.

No meio campo, André André e Agu, somam dois jogos seguidos, sem que nenhum deles assuma o papel de chefe de equipa, faltando-lhes o apoio à esquerda e à direita, para tornar este sector mais forte, dinâmico, imaginativo, capaz de marcar os ritmos da equipa. Na frente, se Quaresma mostra ter pernas para jogar acima dos 70’, Edwards tem a sua cabeça noutro lado, uma vez que a sua inspiração que o celebrizou na época passada, está totalmente adormecida.

Tiago ainda não se sentiu entusiasmado por jogar com um ponta de lança natural – só fez agora com os pacenses – a verdade é que há desperdício de energias na área adversária, pois, as situações criadas pelos avançados é mesmo diminuta.

Com o Paços de Ferreira, o Vitória foi mesmo dominado, sofreu e aguentou, esperou que Bruno Varela resolvesse todos os problemas, não sofrendo golos. Mas há jogos assim, uma equipa ganha sem jogar, outra perde depois de fazer um bom jogo, porque a eficácia é mortífera nesta modalidade. E o Vitória aproveitou o penálti que Rochinha conseguiu face a um adversário ingénuo, já quando todos admitiam o empate como resultado provável.

Caderno de apontamentos:

  1. No pior jogo, dos três disputados, em que a equipa andou à deriva, o Vitória ganhou. É futebol!
  2. A defesa consolidou-se mais do que outros sectores, o que não deixa de ser curioso, pois, uma equipa começa a construir-se de trás para a frente.
  3. Não será pelo valor do seu plantel que o Vitória deixará de dar nas vistas.
  4. Edwards nota-se que está em trânsito, sem o fulgor que o distinguiu no passado.
  5. A forma física dos jogadores, parece estabilizada, ainda que em baixa, o que poderia ser um factor diferenciador face aos adversários, se em alta.
  6. Futebol… não tecido, ou urdido, é o sinal evidente de quem vê jogar a equipa. Não há vislumbre de um esquema, de consistência técnica, de arte e imaginação no futebol praticado. Vamos ter paciência e dar tempo para que Tiago mostre o que quer.
  7. No ataque, os cruzamentos de Quaresma não tem aproveitamento, o que pressupunha que houvesse algo estudado ou em estudo.

© Marco Jacobeu

Tiago: “Nem tudo está perfeito mas foi importante ganhar”

O treinador do Vitória não escondeu a exibição da equipa, a menos conseguida, neste ciclo de três jogos. Reconhece que “o futebol é isto”, ou seja que só ganha quem marca e não quem joga melhor. E, também, que “dos três jogos este foi o que mais nos custou e ganhámos”.

O triunfo deixou o treinador satisfeito: “estou contente porque era uma vitória que procurávamos e vai dar confiança à equipa, mas nem tudo foi perfeito. Acima de tudo estou contente porque vencemos”.

Elogiou o guarda-redes da equipa, com inteira justiça, sublinhando que “o Bruno fez uma grande exibição”. E reforçou: “tem dado segurança à equipa, toda a equipa tem trabalhado muito bem. Fizemos seis jogos até agora e sofremos um golo de bola parada, nem sei com que parte do corpo é que o jogador do Belenenses rematou. O Bruno está bem, é um jogador em quem podemos confiar e queremos que continue assim” – concluiu.

Tiago, defende que “a equipa está a crescer, não está a sofrer golos, está a criar químicas. Ganhar em casa é importante, temos de crescer e crescer em cima de vitórias é mais fácil. São duas semanas boas para nós, vamos ganhar tempo, este triunfo dá confiança e tranquilidade para trabalhar” – rematou.

© 2020 Guimarães, agora!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

2,064FansCurti
0SeguidoresSeguir
53SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Edição impressa

- publicidade -

Leia também