Vitória: depois da ressaca foi bom ganhar ao Boavista

Da forma como venceu, a equipa do Vitória deu sinais de estar a regressar ao novo normal…

Não fora, Óscar Estupiñán ter também a sua noite de azar e o triunfo do Vitória pela diferença mínima seria bem diferente. O melhor marcador da equipa teve dois remates para golo: um bateu no peito do guarda-redes contrário, o segundo foi desviado para canto. Em ambas as situações, a luta foi apenas entre o avançado e o guardião com este último a ter mérito na forma como não se deixou ficar entre os postes e desviou os remates à baliza.

Óscar não marcou mas deu a marcar e num passe curto colocou a bola em Rochinha que chegado à área e por entre jogadores boavisteiros, teve classe, arte e engenho para desferir um remate colocado, no fundo da baliza, de forma irrepreensível.

©VSPORTS

Atordoado pelo golo do Boavista, apontado num lance dentro da pequena área, com o peso e a memória carregada de maus resultados em jogos anteriores, a equipa do Vitória reagiu da melhor maneira, com algum nervosismo, um pouco atabalhoada e muita paciência. Foi para o balneário com um empate que lhe abriu as perspectivas de vitória e um tipo de jogo, já mais definido que retomaria depois.

No golo, André Almeida, foi uma espécie de bulldozer que levou tudo à sua frente, numa jogada de força, muito querer, vencendo todos os obstáculos até entregar a bola a Óscar que deu a Rochinha a oportunidade de o substituir na marcação de golos. Foi a jogada mais bonita do desafio, porventura a que melhor define o espírito da equipa e que só precisa de se repetir mais vezes.

O jogo um pouco irregular da 1ª parte, ficou para trás e após o descanso o Vitória tomou conta do jogo, somando oportunidades para dilatar o 2-1 e no final quase sofria o empate, coisa que acontece a quem vive da diferença mínima nos resultados.

Globalmente, o jogo da equipa, a prestação dos jogadores, a estratégia e a utilização dos alas – Rochinha e Edwards – tornam vivo o made in futebolístico da equipa, com a marca de João Henriques.

© LPFP LUSA

O técnico tem razão quando defende que a sua equipa está em construção. Poderíamos dizer que é um livro, cujas páginas se escrevem jornada a jornada, num enredo que vai agradando e desagradando aos adeptos do Vitória, cuja exigência não é proporcional à realidade. E o treinador sabe que nas páginas em branco, falta escrever os próximos capítulos, onde tem de contar histórias do agrado dos vitorianos, para que no final da época, a obra futebolística de João Henriques seja um best-seller e possa ser vendida a todos quantos gostam de futebol.

Mais uma arbitragem justa, sem que Fábio Veríssimo entrasse no jogo. O seu julgamento de bola na mão, por rodopio do jogador do Boavista, conforme as regras, deu a oportunidade de André André marcar de penalti, mais um golo, o sexto deste campeonato.

O Vitória alinhou com: Bruno Varela, Ouattara, Jorge Fernandes, Mumin, Mensah, André André (Miguel Luís 90′), Pepelu, André Almeida, Marcus Edwards (Rúben Lameiras 73′), Óscar Estupiñán (Noah 90′) e Rochinha (Mikel Agu 83′).

Notas de xadrez e não de cheque mate:

  • Houve quem não tivesse notado, há umas jornadas atrás que depois de um período de sucessivas vitórias, a equipa sofria de um ligeiro desacerto, o que é normal quando os sinos de metade do campeonato dobram;
  • O Vitória tal como outras equipas oscilam nas suas exibições em função do esforço despendido, da forma como cada jogador enfrenta este período de cansaço durante a temporada;
  • Porventura, o calendário traiu as intenções da equipa, de técnico e jogadores, que gostariam de defrontar o seu rival desta época – Paços de Ferreira – em outro momento, numa luta directa pelo 5º lugar;
  • André Almeida foi o autor do golo moral e magnífico de Rochinha. A sua teimosia de levar a bola desde o meio campo até à entrada da área e ainda ter “presença” para colocar dentro da área em Estupiñán, evidenciam o seu carácter de jogador com raça, a evoluir à medida que completa mais jogos;
  • Edwards já não foi o jogador adormecido e amorfo de jogos anteriores, registando uma subida de forma, em benefício da equipa;

© 2021 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no Facebook, Twitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

2,728FansCurti
0SeguidoresSeguir
70SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Edição impressa / digital

Leia também

Novo livro: Ferreira de Castro e(m) Guimarães

No âmbito do Dia Mundial do Livro, Álvaro Nunes e...

Síncope: artista Carlos A. Correia estreia hoje no espaço Oub’lá

O espectáculo está dividido em três partes. Músic...

Moreirense: início fatal afasta o 6º lugar

Nos primeiros 11’ da partida, o Moreirense sofreu...

Vitória: o resultado é bem melhor que a exibição

Com um golo de Rochinha (16’), o Vitória importou...

Vitória: inverter o ciclo com o Santa Clara

O jogo com o Santa Clara é crucial no resto do ca...