21.2 C
Guimarães
Domingo, Junho 4, 2023

Universidade do Minho: investigadora premiada em Angola

Economia

A cientista Cláudia Fançony, ligada ao Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS) da Universidade do Minho, receberá, amanhã, 6 de Abril, o Prémio Nacional Mulheres de Mérito, na categoria Investigação, numa cerimónia em Luanda, Angola.

A distinção do Governo angolano visa homenagear e reconhecer várias mulheres daquele país que se destacam a cada ano em diversos domínios da sociedade. Cláudia Fançony vai ter direito a uma menção honrosa, um diploma de mérito e ao valor de 1,5 milhões de kwanzas (2710€).

A investigadora angolana é licenciada em Biologia Aplicada e mestre em Biotecnologia e Bio-Empreendedorismo em Plantas Aromáticas e Medicinais pela Universidade do Minho, doutorada em Saúde Pública pela Universidade do Porto e pós-doutorada pelo Centro de Investigação em Saúde de Angola (CISA) e pelo ICVS da Escola de Medicina da UMinho, ao abrigo do programa Envolve Ciência PALOP, da Fundação Calouste Gulbenkian.

A sua pesquisa centra-se na resistência a medicamentos antimaláricos e na epidemiologia molecular da malária. A cientista lidera um projecto que explora as forças opostas que dois fármacos exercem num único alvo do parasita da malária, para perceber se a resistência deste diminui. Embora haja muitos fármacos em desenvolvimento nesta área, estes podem não estar disponíveis a curto prazo. Para Cláudia Françony, a alternativa inovadora seria resgatar fármacos já em utilização e criar uma nova combinação, baseada em evidências farmacogenéticas. O seu projecto até 2025 chama-se ProbeTACT e vai testar uma terapia combinada tripla à base de derivados de artemisinina, envolvendo o know-how do CISA, do ICVS, do Hospital Pediátrico David Bernardino e o financiamento da Gulbenkian.

A malária é endémica em regiões (sub)tropicais de África, Ásia e América, sendo que quase metade da população mundial corre o risco de contrair a doença, segundo a OMS. A malária é transmitida pela picada dos mosquitos Anopheles, contaminados pelo parasita Plasmodium, tendo como principais sintomas a febre e dor de cabeça, que nalguns casos progridem para coma ou até morte. Em 2021 registaram-se 247 milhões de casos e 619 mil mortes por malária no mundo, sendo 95% em África, sobretudo crianças até 5 anos.

📸 Direitos Reservados

© 2023 Guimarães, agora!


Partilhe a sua opinião nos comentários em baixo!

Siga-nos no FacebookTwitter e Instagram!
Quer falar connosco? Envie um email para geral@guimaraesagora.pt.

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE • CONTINUE A LER

Últimas Notícias